Ã÷Öé¹Ù·½ÍøÖ·

Portal Tributário Obras Eletrônicas Cadastre-se Tributos Boletim Downloads

Tamanho do Texto + | tamanho do texto -

REFORMA TRIBUTÁRIA – A GRANDE FALÁCIA

Mauricio Alvarez da Silva*

 (artigo atualizado em 27.06.2013)

明珠官方网址Este artigo foi originalmente escrito em 2012. Portanto, antes das manifestações promovidas pelo Povo Brasileiro.

Neste momento, com a população em ebulição, novamente o tema da reforma fiscal ?trazido ?tona.

明珠官方网址Ora, faz anos que pedimos racionalidade fiscal e isto vai além da imprescindível redução da carga e burocracia tributária.

明珠官方网址?essencial que o Estado reduza gastos administrativos e combata fortemente a corrupção em todas as esferas, inclusive no âmbito privado onde estão os corruptores. Para arrumar a casa, a administração pública vai ter que "cortar a própria carne", caso contrário vai continuar massacrando os contribuintes para fazer frente aos seus gastos absurdos.

Muitos de nós nos tornamos céticos, por vezes incrédulos, quando o assunto ?reforma tributária. Eu me incluo nesse time. Somos conscientes da alta carga tributária e de que a máquina estatal suga os contribuintes at?a última gota de sangue, pois, afinal, estes têm o dever cívico de patrocinar toda a gastança pública.

明珠官方网址Diariamente leio, ouço e assisto jornais, programas de rádio e televisão onde nossos representantes políticos esbravejam e discursam aos quatro cantos, e com ares de preocupação, a necessidade de se reduzir o custo tributário brasileiro, pois não somos competitivos em relação a maioria dos países concorrentes, incluindo alguns aqui das redondezas. Ou seja, as mesmas balelas de sempre.

明珠官方网址Mas de concreto o que ? feito? Absolutamente nada!

Alguém se lembra de algum movimento concreto e contínuo, na história recente, para aliviar o peso tributário que carregamos sobre os ombros? Claro que não, pois, utilizando o chavão do nosso ex-presidente, “nunca antes na história desse país” houve qualquer intenção efetiva em desonerar tributariamente nossa economia.

Quando muito o Executivo vai l?e reduz a alíquota do IPI, do IOF, do PIS e da COFINS para aquecer ou favorecer alguns segmentos específicos de nossa economia, ainda assim com prazo determinado, o qual findo retorna tudo ao que era antes.

Não podemos nos esquecer das “mini-reformas tributárias”. Um belo apelido para leis esporádicas que promovem um grande pacote de alterações fiscais, criando novas obrigações, costurando um pouco mais a colcha de retalhos em que se transformou nossa legislação (lembrando: temos mais de 80 tipos de impostos e contribuições, clique para visualizar). Por vezes são concedidas algumas benesses, mas somente para servir de pano de fundo aos aumentos tributários que antes eram sorrateiros e agora são escancarados. Para refrescar a memória vejamos a criação do PIS e da COFINS no regime não cumulativo, cujo discurso oficial era desonerar a cadeia produtiva, mas que, na prática, mostrou-se muito diferente, mas muito mesmo.

Para termos uma reforma verdadeira teríamos que mexer em nossa estrutura tributária como um todo. Est?tudo muito complexo e ineficiente. O próprio ministro da fazenda j?admitiu anteriormente, por exemplo, que o atual modelo do ICMS atrapalha a economia nacional, o que ?a mais pura verdade. Mas o que ser?efetivamente feito a respeito?

Portanto, não vejo espaço para reformas efetivas em médio prazo, e tampouco vontade política para que isso aconteça em longo prazo. Assim, possivelmente continuarão a surgir mais alguns pacotes (remendos) tributários na base do “toma l?d? c?#8221;.

O autor Mauricio Alvarez da Silva ?Contabilista atuante na área de auditoria independente h?mais de 15 anos, com enfoque em controles internos, contabilidade, tributos e integra a equipe de colaboradores do Portal Tributário.


Tributação | Planejamento Tributário | Tributos | Legislação | Publicações Fiscais | | Boletim Fiscal | 100 Ideias | | | RIR | RIPI | RPS | ICMS | IRPJ | IRPF | IPI | ISS | PIS e COFINS | Simples Nacional | Cooperativas | Modelos de Contratos | Contencioso | Jurisprudência | Artigos | Torne-se Parceiro | | | |